Apresentação

O estabelecimento das primeiras povoações na Murtosa ficara a dever-se a pescadores de origem nórdica e mediterrânica que, instalando-se com as suas famílias, aqui se juntaram aos naturais dos sítios. Esta fusão ter-se-á dado no decorrer da primeira dinastia, ao encontro da política de fixação levada a cabo pelos primeiros reis.

O povoamento tardio da zona atribui-se à sua própria natureza, já que o solo era quase totalmente coberto por areias movediças puais, terras encharcadas e lamacensas, dunas indomáveis e uma série de canais, tornado praticamente impossível a fixação e a habitabilidade da área marginal à laguna. Tal só passou a verificar-se à medida que se foi procedendo ao seu arroteamento, tornando fértil aquela quantidade de terrenos estéreis. Assim, os habitantes foram desenvolvendo atividades agrícolas e piscatórias, que ainda constituem a principal fonte de rendimentos para grande parte da população.

A primeira referência ao reguengo de Pardelhas aparece também no ano de 1220, numa relação das propriedades dos Mosteiros e Ordens Religiosas das Terras de Santa Maria. Aquele reguengo é assinalado como pertença do Mosteiro de Vila Cova de Sandim, um dos mais antigos de Portugal, fundado por monjas beneditinas. Alguns autores consideram-na da primeira metade do seculo XII, como a «certidão de batismo» da Murtosa .

A freguesia da Murtosa compreende uma área de 14,8 Km2 e tem uma densidade populacional de 254,1 hab/km2. A população residente, em 2011, é de 3 699 indivíduos.

A população noutros tempos dedicava-se essencialmente à agricultura e a pesca. Depois de arroteados os terrenos arenosos e alagadiços, as terras da Murtosa revelaram-se extremamente férteis. Grande parte desta fertilidade deve-se à ria concretamente ao moliço retirado das suas águas, que utilizado como adubo, conferia aos solos admirável abundância. A pesca é outra das atividades tradicionais murtoseiras.

No passado, o mercado de Pardelhas chegou a ser um dos grandes núcleos abastecedores de pescaria, a que acorriam almocreves de vários pontos do Pais.

Nas primeiras décadas do século passado, o fenómeno da emigração invadiu a freguesia da Murtosa, que levou muita  gente à procura de melhoras condições, quer em Portugal, Lisboa, Setúbal, Salvaterra de Magos, quer no estrangeiro, Estados Unidos da América, Brasil e Venezuela, e mais recentemente,  França e Alemanha.

Contudo, nos corações da gente da Murtosa existe um espaço para guardar tudo o que a Murtosa tem de bom.

(site em construção)